• CONHEÇA O MUSEU DO FUTEBOL!

    Localizado no Pacaembu, espaço traz atrações para até quem não gosta do esporte.
  • OBRIGADO, HENRIQUE NICOLINI!

    Jornalista faleceu aos 91 anos e o editor executivo da Gazeta Esportiva conta a importância do legado deixado pelo profissional.
Acessibilidade: A Gazeta AM tem.

Anos 2000

 

A “Rádio Gazeta” entra no ano 2000 com vários projetos relacionados à participação de universitários na programação. Estudantes da Faculdade Cásper Líbero, através da “Rádio Universitária”, da referida instituição de ensino superior, coordenada pelo professor Pedro Vaz, experimentam a realização de vários gêneros e formatos jornalísticos na emissora, que é mantida pela Fundação Cásper Líbero, assim como a faculdade.

No ano 2000, os alunos de jornalismo da faculdade produzem uma grande reportagem, em celebração aos quinhentos anos da descoberta do Brasil. Esta foi premiada pelo congresso Lusocom, que reunia trabalhos de língua portuguesa e língua espanhola. Na sequência, outras participações de alunos tornam-se mais significativas. A partir de então, o projeto de trabalhar na rádio com alunos torna-se uma realidade educativa revelando vários  talentos e promovendo novas premiações.

A década, para a “Rádio Gazeta AM” é marcada por um ambiente universitário, vinculado aos trabalhos de profissionais. Em 2002 é criado o curso de “Rádio e Televisão”, na Faculdade Cásper Líbero. Os alunos deste curso, mobilizados com os estudantes das demais áreas intensificam a produção acadêmica, mas com foco no interesse do ouvinte.

A tradição esportiva é mantida e projetos são criados, como o programa “No Vestiário”, no ar desde o ano de 2003. Neste passaram vários alunos, que hoje são profissionais do segmento em emissoras distintas: Felipe Zboril, Natalie Gedra, Henrique Guide, José Renato Ambrósio, Rodolfo Sá, e muitos outros que estarão inseridos nesta seção, a partir de uma pesquisa que está sendo realizada sobre esta década da “Rádio Gazeta AM”.
Nesta escola radiofônica de talentos da crônica esportiva, o programa “Disparada no Esporte”, comandado pela apresentadora Regiani Ritter, estreita o contato de profissionais com estudantes, que partem para o campo profissional carregando na base da iniciação o nome “Gazeta” e um sistema de formação único em ambiente universitário no Brasil.

Além do esporte, outras iniciativas de estudantes tiveram expressão de marcarem a grade de programação. Entre estas, o programa “Dandaras”, que tinha foca nas discussões sobre a questão racial; “Economia em Foco”,  com apresentação do então estudante de jornalismo Maurício Martins, tratava com propriedade dos assuntos econômicos, nacionais e internacionais.

O quadro “Caminhos da Fé” tratou das expressões religiosas”, manifestadas no país; “Nas ondas da História”,  trouxe  fatos e momentos da história do Brasil.

Seja no campo esportivo, social, cultural, a criatividade estudantil, sob orientação profissional de apresentadores, técnicos e professores, reforçam o compromisso educacional da “Rádio Gazeta”, que conta ainda com outras inúmeras produções, alunos  e profissionais surgidas a partir do ano 2000, a serem detalhadas neste espaço.

Na grade atual as diversas editorias se fundem em programas como: “Bom Dia Gazeta”, “Disparada No Esporte”, “Revista Geral”, “Almanaque Gazeta”, “Mochileiros da Bola”, “Super 8″, “No Vestiário De Quinta”, “No Vestiário”, “Gazeta Games” e “Discoteca Gazeta”.